CLICK NA IMAGEM E FIQUE INFORMADO SOBRE O CARNAVAL/2019 - BLOCO PESCADOR DA MADRUGADA - SEGUNDA: 04/03

domingo, 6 de janeiro de 2019

Líder guarani teme massacre e diz que indígenas viraram alvo no governo Bolsonaro

Mudança da responsabilidade pela demarcação de terras da Funai para o Ministério da Agricultura, comandado por ruralistas, pode significar o fim da política indigenista no Brasil
São Paulo — Os 305 povos indígenas existentes no Brasil, com suas 274 línguas nativas, estão ameaçados de morte com a decisão do governo de Bolsonaro de transferir a demarcação de terras indígenas da Funai para o Ministério da Agricultura, comandado agora por Tereza Cristina, representante da bancada ruralista. O alerta é de David Karai Popygua, liderança guarani da Terra Indígena Jaraguá, na zona norte de São Paulo.

“Essa mudança representa claramente uma grande ameaça aos povos indígenas. Bolsonaro coloca os povos indígenas abaixo dos ruralistas para que todos os interesses de exploração e os territórios sejam entregues aos ruralistas. É uma ameaça grotesca porque não dá direito algum aos povos de se defender e nem de ter algum direito. Na prática, é a liberação de todo o território indígena para a exploração dos ruralistas e do agronegócio fazerem o que bem entenderem”, afirmou David Karai Popygua, em entrevista ao jornalista Glauco Faria, na Rádio Brasil Atual.

Popygua destaca que o Estado brasileiro deveria reconhecer os direitos dos povos indígenas, conforme a Constituição. Para ele, a decisão do governo Bolsonaro representa o fim da política indigenista no Brasil. “É um absurdo o que está acontecendo. Daqui pra frente vão acontecer muitas mortes e quem mais vai sofrer com essa situação são as crianças, os jovens e os velhos indígenas.”

Para o líder, não há dúvida de que a dificuldade atual dos povos originários de garantir os seus direitos ficará muito pior. “A gente não consegue nem imaginar o que é entregar o território e os povos nas mãos dos ruralistas que, historicamente, nos perseguem”, lamenta, enfatizando que o Brasil já tem um alto índice de mortes por questões fundiárias.
Com informações da RedeBrasil