quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Arcebispo que fez campanha pró-Bolsonaro pelos ‘valores cristãos’ é denunciado


Ao revelar seus esquemas "para ficar bem consigo mesmo", ex-governador Sergio Cabral afirma, em depoimento, que corrupção na Saúde envolvia o arcebispo do Rio — que fez campanha para Bolsonaro pelos ‘valores cristãos 
Jair Bolsonaro e Dom Orani Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro (Imagem: Tânia Rêgo | ABr)
O ex-governador do Rio Sérgio Cabral disse, em depoimento na terça, dia 26, que resolveu revelar seus esquemas de corrupção para ficar bem consigo mesmo.

Depois de dois anos e três meses preso, Cabral alegou ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal Federal, que é um homem “muito mais aliviado”.

Em nome da minha mulher, da minha família e da história, decidi falar a verdade”, mandou.

Esse foi o meu erro de postura, de apego ao dinheiro, ao poder. Isso é um vício”.

Cabral é um pilantra e o arrependimento vale um ovo frito, mas o que ele contou a respeito de uma das figuras mais honoráveis do estado é curioso.

Segundo ele, o desvio de recursos na saúde pública envolvia religiosos. E não se fala aqui de evangélicos.

Citou o purpurado cardeal Dom Orani Tempesta, arcebispo da Arquidiocese do Rio.

Não tenho dúvida de que deve ter havido esquema de propina com a O.S. da Igreja Católica, da Pró-Saúde. O dom Orani devia ter interesse nisso, com todo respeito ao dom Orani, mas ele tinha interesse nisso”, acusou.

Tinha o dom Paulo, que era padre, e tinha interesse nisso. E o Sérgio Côrtes nomeou a pessoa que era o gestor do Hospital São Francisco. Essa Pró-Saúde certamente tinha esquema de recursos que envolvia religiosos. Não tenho a menor dúvida”.

A matéria completa é do conceituado Pragmatismo Político - AQUI

INÍCIO