quarta-feira, 26 de junho de 2019

Quando a solidão bater, reflita sobre esta passagem bíblica

Deus quer te consolar nos momentos de aflição
Viver neste mundo, muitas vezes, significa estarmos preparados para a rejeição e a traição daqueles que mais amamos. É difícil de suportar isso e, frequentemente, nos sentimos sozinhos.
Mas é nesses momentos que Jesus quer passar a sua mensagem de amor para nós. E há uma cena na Bíblia que pode nos trazer consolação e paz quando vivermos essa situação.

Esta passagem bíblica, quando analisada mais de perto, pode proporcionar horas de oração e meditação. Trata-se do Evangelho de João, que narra um breve momento em que o “discípulo amado” de Jesus descansa em seu peito durante a Última Ceia:

“Um dos discípulos, a quem Jesus amava, estava à mesa reclinado ao peito de Jesus. Simão Pedro acenou-lhe para dizer-lhe: ‘Dize-nos, de quem é que ele fala’. Reclinando-se esse mesmo discípulo sobre o peito de Jesus, interrogou-o: ‘Se­nhor, quem é?'”  (João 13,23-25)

Há muito o que se inferir dessa passagem. Primeiro de tudo, em vez de identificar o discípulo, São João afirma que foi o discípulo “a quem Jesus amava”. Embora possa se referir a um indivíduo específico, também se aplica a cada um de nós, a quem Jesus ama muito.

Jesus revelou a Santa Margarida Maria Alacoque:

“Meu Divino Coração é tão apaixonado pela humanidade que não pode mais conter em si as chamas de sua ardente caridade. É preciso derramar tudo.”

Jesus nos ama infinitamente mais do que podemos imaginar e ele quer derramar esse amor sobre nós. Ele não pode mais conter o amor que ele tem por nós!

Além disso, este discípulo na Última Ceia inclinou-se sobre o peito de Jesus, descansando em seu coração. Pense nisso por alguns segundos. Você não gostaria de descansar no coração de Jesus?

Pense em quando você era criança, quando se recostou na mãe ou no pai e apoiou a cabeça no peito deles, envolto em seus braços. Novamente, isso é o que Jesus quer que você faça e sinta quando pensar nessa cena.

Jesus convidou Santa Margarida Maria Alacoque para fazer essa mesma ação quando a visitou:

“Ele me fez repousar por muito tempo em seu peito. Mostrou-me as inexplicáveis ​​maravilhas do seu amor puro e a que excesso o levara pelo amor da humanidade”.

Essa cena pode se tornar viva toda vez que recebemos Jesus na Santa Eucaristia. Depois de recebê-lo em nossos corpos, voltamos ao banco e podemos meditar sobre essa passagem. Pode ser uma experiência poderosa se realmente acreditarmos que Deus nos ama e está nos convidando a descansar em seu coração.

Lembre-se, nunca estamos verdadeiramente sozinhos neste mundo, mesmo quando todos nos abandonaram. Jesus foi abandonado na cruz e entende esse sentimento. No entanto, ele não quer que a gente fique lá, mas que cheguemos à mesa do banquete e coloquemos nossa cabeça perto do coração dele. Ao fazer isso, podemos sentir o batimento cardíaco de seu amor por nós e ter um vislumbre de sua caridade ardente.

O convite está aberto. Nós só precisamos responder e aceitar o fato de que Deus nos ama mais do que podemos imaginar.
Aleteia