sexta-feira, 19 de julho de 2019

Desmatamento dispara em julho e ameaça acordo comercial com UE

Mais de 1 mil km quadrados de floresta foram derrubados na 1ª quinzena de julho, 68% a mais em relação a todo o mês de julho de 2018, segundo Inpe
BRASIL por Reuters
desmatamento na Amazônia brasileira cresceu na primeira metade de julho e superou a taxa do mês inteiro no ano passado, ameaçando o acordo comercial do Mercosul com a União Europeia.

Mais de 1 mil quilômetros quadrados de floresta foram derrubados na primeira quinzena de julho, o que representa 68% a mais em relação a todo o mês de julho de 2018, segundo dados preliminares de satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).
O desmatamento visto até o momento em julho é o maior de qualquer mês desde agosto de 2016, e ocorre após aumentos importantes na comparação anual ocorridos em maio e junho.
A Amazônia abriga a maior floresta tropical do mundo, e cientistas consideram sua proteção essencial no combate à mudança climática.

Ambientalistas dizem que o aumento do desmatamento no Brasil é resultado das políticas do presidente Jair Bolsonaro e de sua retórica a favor do desenvolvimento da região.

O Palácio do Planalto e o Ministério do Meio Ambiente não responderam de imediato a pedidos de comentários.

No mês passado o Mercosul, bloco formado por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, firmou um acordo comercial com a UE que inclui compromissos ambientais.